Arquitetura sustentável: veja o guia completo que preparamos para você

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Assine nossa Newsletter e receba conteúdos exclusivos TAO BAMBU!

Sustentabilidade é um tema que já habita a mente das pessoas há décadas. Infelizmente, para alguns o conceito acabou se tornando um “assunto batido”. Entretanto, com as discussões sobre as mudanças climáticas, ela volta com toda a força, em todos os segmentos, incluindo a arquitetura sustentável.

Essa proposta tem como base o tripé que contempla as áreas social, econômica e ambiental. Interessante, não é?

Para que você consiga entender melhor sobre o assunto e aplicar a arquitetura sustentável em sua vida, trouxemos este guia completo. Mergulhe no tema e comece a planejar a sua casa mais integrada ao meio ambiente e à vida em sociedade — e ainda, gastando menos. Vamos lá?

Qual o significado da sustentabilidade?

Apesar de convivermos há tanto tempo com esse conceito, seu significado passou por algumas mudanças ao longo das décadas. Se, no passado, ele era essencialmente ligado à preservação do meio ambiente, hoje, abrange questões mais amplas — sociais, ambientais e econômicas — que não podem ser dissociadas.

Foi na Organização das Nações Unidas (ONU), na década de 70, que essa palavra surgiu pela primeira vez de forma mais expressiva. Já o Relatório Brundtland, também da ONU, apresentou ao mundo o termo e o significado de desenvolvimento sustentável, dez anos depois.

Trata-se, basicamente, de reconhecer que os recursos naturais são finitos e de viver segundo a concepção de que devemos preservá-los. Ao mesmo tempo, encontrar formas de viabilizar a vida financeiramente e considerar as comunidades em nosso entorno.

A importância da sustentabilidade para a vida

Fica mais fácil de entender por que a sustentabilidade é tão importante se levarmos em consideração o chamado Dia de Sobrecarga da Terra. Esse cálculo é elaborado pela ONG Global Footprint Network.

A conta é bem lógica: trata-se do momento em que nós vamos consumir mais do que o planeta é capaz de repor. Parece assustador? Pois veja: em 2020, o Dia de Sobrecarga da Terra seria em 22 de agosto. Ou seja, estamos “vivendo”, por ano, quatro meses mais do que o planeta suportaria.

Se fizermos uma viagem ao futuro até o ano de 2050, quando está previsto que teremos 10 bilhões de pessoas ao redor do globo, vale a pergunta: como seremos capazes de sustentar tanta gente? A resposta está no desenvolvimento sustentável.

O que é arquitetura sustentável?

A arquitetura sustentável é aquela que realiza projetos que:

  • Buscam reduzir os impactos ambientais;
  • Ajudam a promover o desenvolvimento social;
  • São viáveis economicamente.

Se você avaliar mais profundamente, perceberá que são princípios já inerentes à atuação de um bom arquiteto. Afinal, hoje em dia, a procura por projetos que respeitem o meio ambiente, que “conversem” com o entorno e que atendam às necessidades mais básicas das pessoas são exigências do consumidor moderno.

Dessa forma, cada vez mais, para atender aos três fundamentos que apoiam a sustentabilidade, encontramos projetos que abrangem:

  • Eficiência energética;
  • Redução do uso e do desperdício de água;
  • Aproveitamento da iluminação e da ventilação natural;
  • Uso de tecnologia a favor da sustentabilidade, como sistema de geração de energia solar, uso de automação em processos, materiais inovadores etc.;
  • Promoção de bem-estar e qualidade de vida às pessoas;
  • Uso de materiais duráveis e de qualidade.

Quais as vantagens da adoção da arquitetura sustentável?

A partir do que vimos até aqui, já dá para ter uma ideia dos benefícios de adotar esse conceito nas construções e na decoração de ambientes, não é mesmo? Mas é possível abordar essas vantagens com mais detalhes, e é isso que você verá, a seguir.

Preservação ambiental

Certamente, essa é a primeira coisa que vem à sua mente quando se fala em sustentabilidade, certo? Na arquitetura sustentável, esse pilar se torna ainda mais importante.

Isso porque os dados divulgados pelo Conselho Brasileiro de Construção Sustentável indicam que a construção civil:

  • Consome 20% da água nos municípios;
  • Utiliza 75% dos recursos naturais;
  • Gera toneladas de resíduos anualmente.

Sendo assim, ao adotar esse modelo, é possível ajudar a reverter esse quadro.

Bem-estar

Você já sabe dos benefícios ao meio ambiente trazidos pela arquitetura sustentável. Mas ela também oferece benefícios à saúde das pessoas. Quando reduz a emissão de resíduos e de poluição, isso afeta diretamente a qualidade de vida nas cidades.

Eficiência

Aqui, estamos tratando do desempenho dessas construções quando se trata de consumo de energia e de água. Além disso, a arquitetura sustentável tem foco em desperdiçar menos materiais, usar matéria-prima local, entre outros fatores.

Valorização

As construções sustentáveis tendem a ser mais valorizadas no mercado imobiliário. Com isso, o retorno sobre o investimento é maior. Também é possível ter menos despesas com operação e manutenção desses imóveis.

Como a arquitetura sustentável é aplicada?

A arquitetura encontrou formas bastante eficientes de traduzir a sustentabilidade em seus projetos. Para isso, busca a redução dos impactos sociais, ambientais e econômicos de sua atuação.

Esse esforço é cada vez mais valorizado pelo consumidor. Com isso, o Brasil já ocupa a quarta posição entre os países que mais têm obras certificadas como sustentáveis. Os dados são do Green Building Council Brasil (CBC). À nossa frente, estão EUA, China e Emirados Árabes. Nada mal, não é?

A aplicação da arquitetura sustentável começa na fase de projeto. Mas não termina com a conclusão da obra: ela deve continuar, na forma como as pessoas decoram e utilizam os imóveis apoiados nesse conceito.

Antes da construção

A arquitetura sustentável, muitas vezes, se une ao conceito do novo urbanismo. Ele prevê, por exemplo, a mescla de áreas residenciais e comerciais para que haja menor necessidade de uso de carros nos deslocamentos.

Os projetos também devem dar atenção à orientação da construção, para melhor aproveitamento de luz e ventilação naturais. Isso reduz o consumo energético das edificações.

Opção por materiais “limpos”

Toda matéria-prima usada na arquitetura sustentável (ou o máximo que for possível) deve ser proveniente de fabricação considerada limpa, ou seja, com reduzida emissão de poluentes. A reutilização de materiais também é bem-vinda, além do maior uso de itens naturais.

Aqui, também vale a busca por fornecedores próximos da região onde o projeto é desenvolvido. Isso ajuda a valorizar os produtores locais e a diminuir custos e deslocamentos.

Redução de consumo energético

A opção pela instalação de sistema fotovoltaico para utilização da energia solar é bastante comum quando falamos em arquitetura verde. Além dela, há a possibilidade de uso de aquecimento de água a partir da energia solar. Tudo isso ajuda a reduzir, inclusive, as contas de energia, em até 95%!

Reaproveitamento da água

Não há como pensar em construção sustentável sem mencionar a economia de água, certo? Afinal, esse é um dos recursos naturais mais importantes à vida humana.

Dessa forma, o reuso de água da chuva e da máquina de lavar ou do chuveiro, aproveitando sistemas de captação e coleta, permitem que o consumo diminua. O aproveitamento da água pode ser feito na rega de plantas, na lavagem de carros e quintais etc.

O que é preciso ser feito para ter um projeto sustentável?

Com tudo o que você viu por aqui, pode surgir, ainda, uma dúvida: como trazer para minha casa um projeto de arquitetura sustentável? Alguns passos são importantes e devem ser seguidos para isso. Vamos conferir?

Adequar o projeto à lei

Seguir as regulamentações e normas que favorecem a proteção ao meio ambiente e incentivam a sustentabilidade é um bom começo. Quer um exemplo prático? Adotar o descarte correto dos resíduos da obra.

Melhor ainda se houver o reaproveitamento ou a reciclagem deles, diminuindo o impacto ao meio ambiente. Por consequência, haverá redução de custos, o que é uma boa notícia, não acha?

Apostar no bom uso da tecnologia

Recursos tecnológicos são aliados potentes da arquitetura sustentável e da construção cil como um todo. Das lâmpadas em LED, mais econômicas, à produção de móveis e objetos de decoração mais sustentáveis, como aqueles fabricados em bambu, tudo ajuda a tornar seu projeto mais eficiente.

Essas soluções levam inteligência à vida das pessoas, promovendo mais qualidade de vida e bem-estar. Esses são pilares da sustentabilidade, lembra?

Reutilizar materiais de construção

Uma obra sustentável pode, ainda, aproveitar materiais de demolição. Isso ajuda a dar um destino adequado a esses resíduos, além de promover economia à sua construção. Aqui, entram itens em metal, madeira e até cerâmica.

Criatividade é palavra de ordem nesse item e a arquitetura sustentável tem mostrado que isso é possível. Basta que se saiba onde garimpar esses materiais, com condições adequadas de reuso.

Preservar a natureza

O uso inteligente dos recursos naturais deve ser a base de um projeto sustentável e isso deve estar na mente do profissional responsável pela sua casa. Aqui, entram a preservação do solo, da vegetação, da água, além de boas práticas que levem ao menor consumo de energia.

Mas não é só isso. Em uma casa, o projeto de paisagismo pode ser adequado ao entorno e até utilizar plantas nativas.

É preciso, ainda, priorizar o bom aproveitamento da iluminação e da ventilação natural. Isso garante maior conforto térmico, por exemplo, além de ajudar na economia.

Por fim, ter uma mentalidade sustentável pode ajudar você a ter ideias criativas e soluções inteligentes que favorecem a preservação ambiental. Ao monitorar os resultados de um projeto de arquitetura sustentável, verá que vale a pena seguir essa proposta.

Como adotar o conceito dos 3 Rs na arquitetura sustentável?

Você já deve ter ouvido falar nessa proposta, mas talvez não se lembre do seu significado. Estamos falando de reciclar, reutilizar e reduzir. O conceito tem tudo a ver com a arquitetura sustentável, pois ajuda a reduzir os danos ao meio ambiente e ainda pode ter um caráter social importante.

Redução

Esse conceito é bem amplo. Na arquitetura sustentável, podemos começar falando da diminuição do uso de materiais e dos descartes de resíduos. Mas também vale mencionar, aqui, a redução do consumo energético e de água (tanto na obra quanto depois, pelos moradores).

A queda da quantidade de materiais desperdiçados também entra nessa conta. Quer mais um exemplo? Diminuição do uso de contaminantes e aproveitamento maior daqueles que são renováveis, recicláveis e com maior ciclo de vida útil.

Reuso

Lembra-se de que falamos do reaproveitamento de materiais? Ele entra em nosso segundo “R”. Mas não é só isso. Se ele puder ser aproveitado sem que haja necessidade de transformação (e gasto energético com isso, por exemplo) melhor ainda. A inclusão no projeto de captação e reutilização da água também está nesse escopo.

Reciclagem

Esse talvez seja o mais popular entre os 3 Rs. Afinal, já convivemos com esse conceito há algumas décadas, inclusive, pela obrigatoriedade em alguns municípios de fazer a separação do lixo.

No caso da arquitetura sustentável, a reciclagem pode ser aplicada àqueles materiais que não podem ser reutilizados sem que haja seu beneficiamento, seja artesanal, seja industrial. O custo-benefício quase sempre valerá a pena.

Quais são os materiais sustentáveis usados na construção civil?

As técnicas de construção e a tecnologia são fundamentais para a sustentabilidade nesse setor. Mas o uso de materiais adequados é o que faz com que esse conceito se concretize em uma obra. Vejamos algumas das inovações já implantadas.

Bioconcreto

Esse material foi desenvolvido por pesquisadores holandeses. A presença de bactérias na mistura permite que ele se regenere nos casos de rachaduras, por exemplo. O mercado ainda não recebeu essa inovação, mas isso deve acontecer em breve.

Vidro inteligente

Esse é um exemplo claro de como a tecnologia pode ser uma forte aliada da arquitetura sustentável. Em razão disso, controlamos a transparência do vidro com o toque em um botão. Assim, se estiver mais calor, basta reduzir o nível de iluminação do ambiente.

A estimativa é que ele seja capaz de reduzir até 25% dos custos com ventilação e iluminação. Interessante, não acha?

Telhado verde

Essa solução já está se tornando mais comum e talvez você já tenha passado por uma construção com telhado verde. Além de esteticamente bonitos, eles contribuem para o conforto térmico e acústico nos ambientes, levando à economia de despesas com energia.

Como o bambu está relacionado ao conceito de arquitetura sustentável?

bambu-tratado

Desde já, versatilidade, beleza, resistência e uma bela história colocam o bambu como estrela de um projeto de arquitetura sustentável. Sua origem é milenar e seu surgimento remonta à era Terciária, na Ásia.

Você sabia, por exemplo, que parte da estrutura do avião 14Bis, o biplano desenvolvido por Santos Dumont, era feita de bambu? E que Tomas Edson escolheu esse material para fazer o primeiro filamento de lâmpada?

Já deu para perceber a importância do bambu em nossa história, não é mesmo? Mas ele não ficou no passado, quando a palavra foi inventada pelos nativos da Malásia. Seu uso, hoje em dia, contribui com a preservação do meio ambiente, substituindo alguns materiais tanto na construção quanto na decoração de ambientes.

Usos do bambu

Pode até parecer novidade, mas nossos ancestrais já usavam o bambu para fazer cosméticos, gerar energia, construir aquedutos, fazer artesanato e muitas outras funções. O bambu já serviu, até mesmo, como alimento!

Países como a Índia, o Vietnã, a China e o Japão utilizam o material em suas construções com criatividade e beleza. Mas a sua versatilidade já encontra adeptos no Brasil, na Colômbia e nos Estados Unidos, por exemplo.

Entre as suas vantagens, podemos citar:

  • Absorve rapidamente o carbono;
  • Leva menos tempo que outros recursos naturais para renovação;
  • Brota novamente depois de ser cortado, ou seja, não é necessário replantar;
  • É versátil, resistente e, ao mesmo tempo, leve;
  • Permite substituir materiais como metal, madeira e plástico;
  • Pode durar pelo menos 40 anos, quando tratado adequadamente.

Cuidados ao usar o bambu

Como você viu, há muitas vantagens na utilização do bambu em um projeto de arquitetura sustentável. Todavia, é preciso que exista atenção para que elas tenham maior aproveitamento no seu uso.

Assim como a madeira, trata-se de um material orgânico. Então, ele deve receber um tratamento especial para que não seja infestado por brocas e fungos, por exemplo.

Além disso, é preciso atenção às mudanças de clima ou umidade no ambiente. Dessa forma, devemos cuidar que o bambu não absorva água e nem dilate.

Em conclusão, ao escolher um fornecedor de qualidade e confiança, você terá a garantia e a tranquilidade para usar o bambu em estruturas, na cobertura e até na vedação de obras. Sua estrutura oca permite que ele tenha bastante resistência à ação do vento e da tração.

Na decoração, o bambu pode estar presente em objetos, móveis, tecidos etc.

A aplicação do bambu na arquitetura sustentável

Como vimos, o bambu já apresenta uso em muitos países para a construção civil. Japão e China, por exemplo, aplicam esse material desde os seus ancestrais, com uma arquitetura impressionante pela beleza e pela resistência às ações do tempo.

Profissionais modernos e com alinhamento à cultura da sustentabilidade vêm fazendo com que o material seja cada vez mais adotado em seus projetos. Sua durabilidade e a economia que proporciona são algumas das vantagens que levam a essa escolha.

Por isso, o Brasil, por exemplo, já tem em sua área algumas reservas naturais de bambu. Apenas para citar um dado bem impressionante: no Acre, essas reservas já ocupam 38% de seu território!

Mas a aplicação do bambu na construção civil em nosso país ainda não atingiu seu ápice. Isso, mesmo após estudos feitos pela PUC-RJ comprovarem que ele pode substituir, até mesmo, alguns tipos de estruturas de aço. Isso, fora seu caráter sustentável, sua flexibilidade e força.

Por fim, essa mesma pesquisa aponta que a redução de custos em uma obra que utilize o bambu pode chegar a até 30%. E você se lembra de que a economia é um dos pilares da sustentabilidade, não é mesmo?

Bambu na decoração sustentável

Com toda a versatilidade que esse material apresenta, não é difícil imaginar as mil e uma possibilidades de usar o bambu na decoração da sua casa para completar o ar de sustentabilidade do projeto, não é mesmo? Assim, vale a pena adotar esse estilo e traduzir nos móveis e objetos a qualidade de vida e o bem-estar proporcionados pela decoração sustentável.

O material pode ter uso de forma única, com um ar exclusivo à sua mobília e composição nos ambientes com utensílios bonitos e leves. Além de tudo, há um ganho na manutenção deles, pois são fáceis de higienizar e muito duráveis.

Em suma, a facilidade de manuseio leva não só empresas, mas também artesãos a usarem cada vez mais esse material em suas produções, tanto no Brasil quanto em vários outros países em todo o mundo.

Por aqui, vale levar em consideração a escolha de fabricantes que priorizem a preservação do meio ambiente, ainda dentro do conceito de sustentabilidade. Enfim, procurando bem, você vai encontrar, produzidos em bambu:

  • Materiais de escritório;
  • Utilidades domésticas;
  • Itens de saúde e bem-estar;
  • Artesanato;
  • Brinquedos;
  • Móveis e muito mais.

Deu para perceber que a arquitetura sustentável é um conceito moderno, que visa à promoção de qualidade de vida, saúde, bem-estar e preservação dos recursos naturais. Há cada vez mais profissionais aderindo a esse modelo e o bambu é uma das possibilidades, tanto na estrutura de construção quanto na decoração dos ambientes.

Gostou do nosso guia completo? Siga nossas páginas no Facebook e no Instagram para acompanhar todas as nossas publicações por aqui! Esperamos você!

Assine nossa Newsletter e receba conteúdos exclusivos TAO BAMBU!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email